Nos EUA, Mourão apoia a construção do muro na fronteira com o México

O vice-presidente Hamilton Mourão participa de evento no Riocentro Foto: MAURO PIMENTEL / AFP
O vice-presidente Hamilton Mourão participa de evento no Riocentro Foto: MAURO PIMENTEL / AFP

Bolsonaro já declarou que apoia. Eu estou que nem um paraquedas com ele, estou com ele e não abro‘, diz vice

WASHINGTON — Em visita a Washington, o vice-presidente Hamilton Mourão disse que apoia a construção de um muro na fronteira entre os Estados Unidos e o México. Mourão, que chegou aos EUA na sexta-feira, se encontrará nesta segunda com o vice-presidente americano, Mike Pence.

O presidente (Jair) Bolsonaro já declarou que apoia. Aí, outro dia me perguntaram. O presidente já declarou, eu também apoio. Eu estou que nem um paraquedas com ele, estou com ele e não abro.” disse Mourão, referindo-se à entrevista de Bolsonaro à emissora americana Fox News, quando o presidente disse que a maioria dos imigrantes que chegam aos EUA não tinha boas intenções.

Sobre a reunião com Pence, o vice-presidente acredita que será uma oportunidade para abrir um canal de diálogo. 

Mourão deu as declarações ao sair da embaixada do Brasil em Washington, depois de uma reunião com diplomatas. Sobre a crise venezuelana, tema que será vital no encontro com Pence, o general afirmou que a solução que tem que ser dada pelos próprios venezuelanos.

“O auxílio que a comunidade internacional está prestando é a pressão política e econômica sobre o regime do presidente Maduro” ressaltou.

Fontes, no entanto, revelaram no domingo que o papel de Cuba na sustentação do regime do venezuelano será um dos principais temas a serem tratados.

Na semana passada, Pence já anunciara novas sanções contra navios e empresas que transportam petróleo da Venezuela para Cuba. A ideia é atingir os governos dos dois países, cujos regimes se apoiam mutuamente contra as pressões americanas.

Outro item que poderá ser tratado na reunião é a situação na Nicarágua, que  forma com Venezuela e Cuba o trio de países considerados problemáticos nas Américas, na avaliação de fontes do governo brasileiro   neste caso também coincidente com a do governo de Donald Trump, cujo conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton, chamou os três países de “troica da tirania”.

O presidente nicaraguense, Daniel Ortega, é acusado por Washington de ter reprimido brutalmente manifestantes contra o seu governo, no ano passado.

Grupo politicamente diversificado

Ainda de acordo com as fontes, Pence quer ouvir a opinião do vice-presidente brasileiro sobre a situação na Venezuela, o poderio militar do país vizinho e como seria uma transição, caso Maduro deixasse o poder. Para isso, contará com a experiência de Mourão como adido militar na Venezuela, durante o governo de Hugo Chávez. A informação é que Mourão mantém até hoje contatos com militares venezuelanos.

Mourão chegou domingo a Washington depois de ter participado em Boston do encerramento da Brazil Conference.

Ainda nesta segunda, ele almoça com escritores, economistas, empresários e representantes de think-tanks na residência do embaixador do Brasil, um grupo mais politicamente diversificado do que o que jantou com Bolsonaro.

Na lista de convidados, estão o ambientalista Thomas Lovejoy; ex-embaixador dos EUA no Brasil Thomas Shannon; o escritor e jornalista venezuelano Moises Naím; Paulo Sotero, diretor do Brazil Institute do Wilson Center; Adrienne Arsht, vice-presidente do conselho do think tank Atlantic Council; Fred Bergsten, economista do Peterson Institute; Donna Hrinak, presidente da Boeing Brasil, Bruno Reis, do grupo Eurasia; José Guilherme Reis, diretor-executivo pelo Brasil e Suriname no Banco Interamericano de Desenvolvimento; e Carlos Alves de Brito, CEO da AB InBev.

Fonte: https://oglobo.globo.com/

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here