“Vim para fazer a transição e espero ser reconhecido lá na frente”

Brazilian President Michel Temer attends the award ceremony of the Order of Aeronautical Merit at an air base in Brasilia, on October 23, 2017. The first president in the country to face criminal charges while in office, Temer is accused of obstruction of justice and racketeering. He denies any wrongdoing and has argued that the country needs him at the helm to bring in market-friendly reforms after two years of deep recession. This week the chamber of deputies must vote the request to authorise the opening of an investigation against the ruling President. / AFP / EVARISTO SA

Detentor de uma popularidade na casa dos 3%, uma ampla base no Congresso e interessado em promover reformas até o último dia de seu governo, o presidente Michel Temer trabalha diuturnamente para chegar ao final do mandato num patamar bem melhor do que aquele registrado hoje. “Se aprovar a reforma da Previdência e conseguir simplificar os tributos, ô!”, diz ele, com uma tranqüilidade que há tempos não se via. Ele se apresenta como presidente da transição, diz que não é candidato a nada. Porém, acha “importantíssimo” ter um candidato para defender o legado de seu governo. Quem será, ele não avança a esse ponto. Para bons entendedores, no entanto, a eleição de 2018 é uma incógnita tão grande hoje que até Michel Temer pode entrar na bolsa de apostas, quer goste ou não.
Temer deu essas declarações num jantar promovido pelo site Poder 360, na noite dessa segunda-feira na área mais reservada do restaurante Piantella. Convidado de honra, levou todos os ministros do Planalto, o secretário de imprensa, Márcio de Freitas, e o marqueteiro Elcinho Mouco. À mesa, com jornalistas e empresários, como André Clark, CEO da Siemens, e Flávio Rocha, do grupo Riachuelo, e representantes da Souza Cruz, do Banco Mundial, Temer fez um resumo dos avanços de seu governo até aqui e deu uma pista das reformas ministerial, previdenciária e privatização da Eletrobrás __ que virá por um pacote composto por uma medida provisória, para autorizar que as distribuidoras se tornem concessionárias, e dois projetos de lei, “combinados com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia”. Temer faz questão de frisar que não se governa sem o apoio dos presidentes das duas Casas.
Em relação à reforma previdenciária, o presidente não descarta as dificuldades de aprovação. Porém, confia que a Emenda Constitucional passe na Câmara este ano ainda. E, para o ano que vem, a votação no Senado. Numa escala de 0 a 10 sobre a perspectiva de aprovação, o ministro Eliseu Padilha, da Casa Civil, considera que as chances estão em 8. E, para ganhar tempo, o governo já admite inclusive a promulgação “fatiada”, ou seja, promulga-se primeiramente o que for aprovado nas duas Casas. Assim, apenas o que for modificado no Senado regressar à Câmara.
A nova Proposta de emenda Constitucional (PEC) será apresentada nesta quarta-feira num jantar no Alvorada com os deputados que integram a base do governo. Consiste num texto com a idade mínima de 62 anos para mulheres e 65 anos para os homens, com uma transição de 20 anos, e igualdade de condições entre trabalhadores da iniciativa privada e do serviço público. “A palavra para a Previdência hoje é esclarecimento”, diz Temer, que inclusive convocou especialistas ao Alvorada para explicar a necessidade da reforma aos parlamentares no jantar de amanhã.

O presidente ficou exultante com a pesquisa do site Poder 360 sobre a idade mínima, anunciada pelo Publisher do site, o jornalista Fernando Rodrigues. Desde abril, o Poder 360 pesquisas confere o humor do brasileiro com a fixação da idade mínima. Em abril, 76% eram contra. Em agosto, baixou para 67%. No último fim de semana, estava em 52%. Ainda é alto, porém a trajetória indica que a população começa a ver a fixação da idade mínima com bons olhos. “Posso divulgar isso?”pediu Temer. “O Congresso sempre acaba concordando com o que o povo pensa. A reforma não é minha. Precisamos transformar os 52% em 40%. Quando se verificar que boa parte da população é a favor da idade mínima, muda o clima no Congresso”, prevê o presidente.

Por falar em mudança de clima…

O presidente faz questão de repisar que as dificuldades enfrentadas hoje com as reformas só existem porque, há seis meses, as denúncias contra ele quebraram a onda positiva do governo em relação à proposta. Sem citar nomes, ele se referiu a depoimentos que falavam do objetivo de derrubar o presidente da República e analisou o período em que viveu as duas denúncias. “Chegaram a falar em renúncia. Eu disse, não senhor. Se renunciar, sou culpado. Vou mostrar que não tenho culpa”, relembrou Temer. A avaliação dele é a de que as denúncias “atrapalharam o país, mas não pararam”, disse, referindo-se a melhorias na área econômica.

Reforma ministerial

“Farei a reforma paulatinamente, de agora até março”, comentou, sem entrar em detalhes. É sabido que o presidente pretendia mudar os ministros candidatos de uma única vez. Porém, diante da resistência dos partidos, ele preferiu esperar para não comprometer a boa relação entre o governo e a base aliada. Do alto de quem já presidiu a Câmara três vezes e sabe como ninguém como funciona o Congresso, o presidente não vê mal algum nisso. Trabalha com a realidade.

E é com os olhos na realidade que Temer confia em deixar algo de positivo ao final de seu governo. “Vim para fazer a transição e espero que seja reconhecido lá na frente”, diz o presidente. “Faço distinção entre populismo e popularidade. Populismo não faço. A popularidade espero que venha lá na frente”, diz, ao acrescentar que não pretende ser candidato no ano que vem. Porém, não parece lá muito incisivo em relação a isso, quando pouco depois, acrescente que pesquisa de hoje não vale nada. A que vale á a de 3 dias antes da eleição. Como diz o ministro Moreira Franco, candidatos há muitos, candidaturas serão poucas.

Temer, entretanto, trata de tirar essas especulações de cena quando menciona ser “absurdo” as pessoas imaginarem que em 14 meses não faremos nada”, diz ele, de olho no futuro.

Fonte: CB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!