Governo pelos mais necessitados

Por Ary Filgueira

Desde que foram inaugurados, em abril, alojamentos provisórios instalados no Autódromo de Brasília e no Estádio Maria de Lourdes Abadia (Abadião), em Ceilândia, não param de receber novos moradores. As duas casas abrigam cerca de 300 pessoas em situação de rua e está de portas abertas 24 horas por dia, para receber mais cidadãos carentes.

Na noite de quinta-feira (25), o Alojamento do Autódromo acolheu mais 11 pessoas que vivem nas ruas. De várias partes do Distrito Federal, esses homens terão agora três tipos de refeição, diariamente, e um quarto com cama e cobertor para se abrigarem e protegerem do frio típico do Cerrado nesta época do ano.

Ao desembarcar no alojamento, eles passam por uma triagem em que é aferida a temperatura corporal, a fim de saber se estão com febre, sintoma predominante em pessoas com Covid-19. Em seguida são colocados em um compartimento onde aguardam os kits de higiene e roupas – o conjunto reúne escovas, creme dental, sabonete, toalha, calça, camisa, cueca e coberta. Já de posse desses produtos, os acolhidos são dirigidos a banheiros e vestiários onde tomam banho e trocam de roupa. Uma verdadeira transformação pessoal, com ainda mais dignidade.

Cosme da Silva, 39, passou a integrar o grupo juntamente com outros dez moradores de rua abordados por equipes da Secretaria de Desenvolvimento Social e encaminhados para o abrigo popular. Ao verificar a estrutura do lugar, o homem ficou impressionado. “Muito organizado”, sintetizou. Depois de 27 anos, relata Cosme, é a primeira vez que ele tem um lar com direito a cama e cobertor. “Saí de casa com 12 anos para procurar emprego e acabei ficando nas ruas. Essa pandemia me fez ter medo das ruas. Então, aqui vou estar seguro”, alivia-se.

Uma das coordenadoras do Alojamento Provisório do Autódromo é Karen Cury. Foi ela quem recebeu os 11 novos moradores e os conduziu durante as etapas que teriam de cumprir naquela verdadeira cidade erguida nos fundos do autódromo, em meio ao nada. “Aqui eles têm de tudo. Aulas com professores de matemática e português, cinema, refeição, banho, cama. É um lugar de dignidade”, descreve.

Fonte: Agência Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here